Você está em: Início Novidades

Alimentação faz a diferença para concurseiros

15/08/2016

Passar no concurso público é mais que um projeto, quase uma obsessão. Por ela, de quase tudo você abre mão. Escolher bem os alimentos nessa fase da vida, então, é frescura
 
 
Não há tempo a perder, e o jeito é matar a fome com qualquer lanche rápido ou guloseima calórica que apareça pela frente. Quem se identifica  com esse estilo de vida, se orgulha dele e acha que é o caminho mais curto rumo ao sucesso, precisa rever logo seus conceitos. Isso é o que garantem os profissionais da saúde Silvia Calil e Rafael Azevedo.
 
Para além de saciar, a alimentação pode ter influência direta também no processo de preparação, em sua capacidade de absorção. E aqui falamos não só dos nutrientes tradicionais, mas também de conhecimentos. Tal como numa rotina de competidores de alta performance - leia Disciplina dos atletas olímpicos inspira preparação para concursos -, o que você come determina em grande parte seu desempenho. O que você é.
 
A nutricionista Silvia Calil, que está prestes a concluir o doutorado com o instigante tema Alimentação Versus Cognição, não mede esforços nos argumentos para desconstruir o descaso com a própria alimentação, prática sustentada por um grande número de concurseiros. "Tenho atendido vários pacientes que buscam orientações para a época dos concursos. Trabalho em parceria com uma gerontóloga que orienta os exercícios para melhorar o desempenho cerebral".
 
 
Ela conta que este costume de dedicar todo o tempo aos estudos, esquecendo a alimentação, os exercícios físicos  e até a diversão, não é benéfico para o corpo  humano. Sob alto nível de estresse, baixo combustível, nossa máquina se revela muito menos eficiente para quem busca otimizar a aprendizagem. "O cérebro, assim como o corpo humano como um todo, necessita de horas diárias de repouso e lazer". 
 
Sim, lazer! Silvia conta que dedicar momentos durante o dia para a  diversão é fundamental. Essas atividades podem ser dos mais variados tipos: passear, assistir a filmes, caminhar, ir ao teatro, utilizar jogos - como palavras-cruzadas - ou, até mesmo, aprender um idioma. Todas essas práticas podem trazer benefícios ao cérebro, melhorando o desempenho de quem busca a aprovação. 
 
"Nosso organismo precisa funcionar em perfeito equilíbrio, e um dos itens que contribuem para isso é a dieta", explica, acrescentando que o cérebro precisa se alimentar com os nutrientes adequados, que o  façam render e funcionar com toda a sua capacidade. "Existem, inclusive, alguns alimentos específicos que ajudam a fortalecer a memória, a concentração, favorecendo a aprendizagem e até melhorando o estado de ânimo". 
 
 
Ausência de atividades físicas prejudica rendimento cognitivo
 
Quem concorda com ela é o profissional de Educação Física e  massoterapeuta Rafael Azevedo. Ele explica que o ser humano não é  dividido em mente e corpo - ambos andam juntos - e quem sabe disso  consegue trabalhar para obter melhores resultados. "Estudar é a  base para o sucesso. Porém, a ausência de atividades físicas prejudica, e muito, o rendimento cognitivo, causando problemas de concentração e ansiedade, que atrapalham o desempenho". Ele explica ainda que existem esportes mais recomendáveis para quem estuda, como os aquáticos e as lutas, que exigem concentração na hora da execução, trabalhando não só o corpo, mas auxiliando, sobretudo, a mente.
 
Esses benefícios cerebrais causados pelas atividades físicas vêm de  diversas direções: melhoria do foco, desenvolvimento do socioafetivo, além de resgate do concurseiro da rotina solitária. Assim, os resultados são multiplicados e podem ser facilmente percebidos, tanto na hora de estudar - momento em que tudo parece ficar mais simples - quanto na ocasião de testar os conhecimentos, durante as provas em si. Rafael deixa ainda um conselho: "Não cuidem só da mente, tratem do  corpo como um todo. Pratiquem esportes e estudem, pois o futuro  dependem só de vocês".
 
Completando as sugestões de Rafael, Silvia reprova pessoas que pulam refeições, comem fast food com frequência e excluem vegetais e frutas  da dieta, explicando que elas podem ter um funcionamento cerebral  comprometido. "Assim, uma alimentação equilibrada, orientada por  profissional, especializado é muito valiosa para manter a apredizagem a pleno vapor".

Ver todas as novidades