Você está em: Início Novidades

BANCO CENTRAL - Autarquia tem urgência na abertura de novo concurso

09/05/2016

A poucas semanas do fim do prazo para o envio de pedidos de concurso ao Ministério do Planejamento em 2016, o Banco Central (BC) precisa se apressar para não ver o seu quadro de pessoal se deteriorar ainda mais nos próximos anos. De acordo com dados divulgados pela própria autarquia, o banco fechou o ano de 2015 com 316 servidores a menos do que quando o último concurso foi solicitado, em 2012. Isso significa que a seleção aberta em 2013, que teve oferta inicial de 515 vagas, não foi suficiente sequer para suprir as saídas que ocorreram desde a solicitação anterior, principalmente em razão de aposentadoria.
 
E a situação pode se agravar ainda mais caso o BC não consiga realizar um novo concurso no curto prazo. Isso porque, embora o fluxo de aposentadorias tenha diminuído, a expectativa do banco é que 170 servidores deixem a autarquia este ano. Entretanto, o Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) alerta que 600 servidores já reúnem os requisitos para aposentadoria e podem deixar o banco a qualquer momento. Na melhor das hipóteses, o déficit do quadro do BC, hoje de 35,3% do previsto em lei, passaria a ser de 37,9%. No pior cenário, a defasagem passaria para 44,5% do quadro máximo.
 

Para realizar um novo concurso no menor espaço de tempo possível, o BC precisa enviar uma solicitação ao Planejamento até o fim deste mês, e convencer o governo da necessidade premente de abertura da seleção mesmo com as restrições impostas aos novos concursos em razão do ajuste fiscal em andamento. Se não conseguir fazer com que a seleção seja contemplada na proposta orçamentária de 2017, o BC precisará refazer o pedido no ano que vem, para possível abertura da seleção apenas em 2018. Já a nomeação dos aprovados correria o risco de acontecer somente em 2019, deixando o banco sem o ingresso de novos servidores por cerca de quatro anos.

Esse panorama poderia fazer com que a paralisia no banco, que já atinge diversos setores, se amplie ainda mais. O temor do sindicato da servidores é que ela chegue a setores essenciais, como o responsável pela formulação da política monetária, fundamental para o equilíbrio da economia e que demanda a realização de uma série de pesquisas. O cargo de técnico do Banco Central tem como requisito o ensino médio completo (há projeto de lei propondo exigência de nível superior), enquanto que o de analista é destinado aos graduados em qualquer área. Já o cargo de procurador é voltado aos advogados com experiência mínima de dois anos de prática forense. As remunerações iniciais são de R$6.463,44 para técnico, R$16.286,90 para analista (ambos a partir de agosto) e R$17.788,33 para procurador, já com o auxílio-alimentação, de R$458. As contratações são pelo regime estatutário (estabilidade).

fonte: Folha Dirigida

PREPARATÓRIO PARA BANCOS - Matutino      



PREPARATÓRIO PARA BANCOS - Noturno

Ver todas as novidades