Concurso público é um projeto repleto de desafios. Requer tempo, determinação, algum investimento financeiro. Além disso, cada reprovação é um obstáculo a ser superado pelo candidato. Dependendo da situação, a autoestima pode ficar abalada e a confiança de que um dia tudo vai dar certo pode fraquejar. Desistir passa a ser uma alternativa.


O primeiro cuidado para evitar esse perigo é saber que praticamente todo candidato sofre algumas reprovações. Então, passar por isso não significa incompetência.


Por outro lado, uma atitude apática diante do insucesso também não vai ajudar o candidato. É necessário estar atento e observar o resultado de cada prova, comparando-o com o de provas feitas anteriormente,  para trabalhar as dificuldades identificadas no processo.


A trajetória natural é: ser reprovado; depois ser aprovado dentro dos critérios do edital, mas ficar fora das vagas; mais à frente, passar a ficar dentro das vagas. Podem ser algumas provas em cada etapa, mas é importante que esteja acontecendo melhora efetiva no desempenho a cada novo concurso.


Se, ao contrário, os resultados forem inconstantes ou sempre no mesmo patamar, algo precisa ser feito, porque o tempo por si só não vai corrigir o problema, nem transformar reprovação em aprovação.


Veja a seguir algumas causas possíveis:


Concursos muito diferentes
Se você faz todos os concursos que surgem, independentemente da área, é provável que tenha de estudar matérias novas a cada vez e aproveite pouco o que aprendeu em concursos anteriores.


É mais produtivo escolher um tipo de concurso - uma área - porque as matérias se repetem bastante de um concurso para outro e o conhecimento vai sendo acumulado, em vez de descartado.


Estudar só com edital
Se você espera a publicação do edital para começar a estudar, e depois da prova interrompe a preparação até o edital seguinte, as chances de ficar bem qualificado são reduzidas.


São muitas matérias e o tempo entre o edital e a data da prova é insuficiente para estudar bem todo o conteúdo. Se você se adiantar e estudar todas as disciplinas básicas antes da divulgação oficial do concurso, depois terá apenas que fazer ajustes e estudar o que for novidade.


Outro aspecto importante é que a preparação para concurso é similar à de um atleta – requer treinos constantes para melhorar a capacidade de concentração, de atenção e intensificar a memorização das informações. Como seria ir à academia durante três meses, com muita dedicação, e depois suspender por seis meses? Imagino que os resultados se perderiam e o treino voltaria praticamente ao zero. O mesmo acontece com a sua preparação para concurso. A continuidade leva você a patamares cada vez mais altos.


Matérias difíceis
Tem gente que abandona aquela disciplina em que tem muita dificuldade. Isso é uma grande bobagem, porque ela estará na prova e pode representar a diferença entre a aprovação e a reprovação.


É mais sensato “desatar os nós” enquanto é tempo, antes do edital. Pode ser útil até fazer um intensivo naquela matéria ou assunto, ou repetir o estudo daquela disciplina desde o início, a fim de superar o problema.

 

Matérias fáceis
Quase todo mundo tem aquela matéria que domina, sente-se seguro e acha que não precisa estudar – afinal, por que perder tempo com o que se sabe, se há tanto a aprender em outras disciplinas?


Porque esse pode ser o seu diferencial, o talento que vai garantir pontos extras que vão trazer a aprovação. Então, dedique-se a ficar excelente nessa matéria.


E, se você ficar muito tempo sem revisar o que sabe, há o risco de esquecer tópicos simples e perder pontos desnecessariamente.


Provas anteriores
Você estudou muito bem a teoria, mas nunca fez uma questão da banca examinadora que vai preparar a sua prova.


Isso é um perigo. Mesmo sabendo a teoria, você pode sentir muita dificuldade ao se deparar com as questões de prova. Pode ter dificuldade para interpretar os enunciados ou pode encontrar assuntos que não fizeram parte do seu estudo.


É simples evitar essa situação se você tiver o hábito de resolver questões de concursos anteriores durante a sua preparação. 


Forças para seguir
Se você iniciou essa jornada a sério, já investiu muito no projeto. Abandonar tudo agora vai deixar uma sensação de desperdício e um gosto amargo de não ter chegado ao objetivo final.


Pode estar faltando só um pouco mais de força, com foco e equilíbrio. Faltam alguns passos para cruzar a linha de chegada e todo o empenho será recompensado. Faça isso por você e pela sua vida.

 
 
Fonte: portal G1